Quem faz um acordo para quitar dívidas sabe o quanto é importante se livrar do débito e de todos os ônus que vêm com ele. Só que, às vezes, surgem problemas que causam o atraso de pagamento de dívidas renegociadas. É aí que surge a dúvida: "E agora? O que irá acontecer? O que devo fazer para reverter novamente esta situação?".

Se você está passando por isso, não se desespere: é possível fazer um novo acordo e buscar uma solução. Mas, para isso, deve-se redobrar o cuidado para que a dívida seja efetivamente quitada. Ou seja, você precisará negociar condições que sejam compatíveis com a sua capacidade de pagamento e, claro, comprometer-se com elas.

Assim, é possível se livrar de uma vez por todas da dívida. Estamos aqui para te ajudar a resolver esse problema, por isso, produzimos este post explicando quais são os efeitos da quebra do acordo e como reverter a situação. Confira!

Quais são as vantagens de renegociar dívidas?

A primeira vantagem é obter novamente crédito. O crédito é importante em muitos aspectos, é por meio dele que conseguimos o fôlego necessário nos momentos de dificuldade financeira, por exemplo. O crédito permite ainda que nossos objetivos sejam concretizados, quando parcelamos produtos e serviços de maior valor, como um veículo ou um imóvel.

No momento da concessão do crédito, a análise feita previamente assegura a capacidade de pagamento da dívida. Só que muitos fatores podem comprometer essa situação: é o caso da perda de poder aquisitivo e da dificuldade em organizar as finanças, por exemplo. Isso pode acontecer com qualquer pessoa.

O problema é que quando os pagamentos das parcelas entram em atraso, o devedor se expõe a riscos, como de elevar o valor da dívida com a incidência dos juros que serão pagos — isto é, pode virar uma bola de neve difícil de resolver. Além disso, as dívidas em atraso também podem sujar o nome.

Fato é que o atraso leva às indesejadas consequências da inadimplência. Entre elas, a dificuldade de acesso ao crédito, a impossibilidade de alugar um imóvel, as indesejadas cobranças, entre outros pontos. A saída desse problema passa pelo parcelamento da dívida.

Como citamos, as dívidas entram em atraso por conta do comprometimento da situação financeira. Para resolver esse problema, portanto, é importante recorrer ao acordo. Isso porque é por meio dele que o devedor consegue rever as condições de pagamento, ajustando-as para a sua atual realidade. Podemos destacar três benefícios principais da renegociação:

  1. revisão das condições de pagamento;
  2. pção de pagamento integral ou parcelado;
  3. retirada do nome do cadastro de inadimplentes.

Entenda melhor!

1. Revisão das condições de pagamento

A renegociação da dívida é uma forma de reavaliar prazo, taxa de juros e valor principal, tornando possível definir uma quantia que seja viável para a efetiva quitação do débito. Para isso, pode-se, por exemplo, reduzir o valor da parcela alongando o prazo de pagamento.

2. Opção de pagamento integral ou parcelado

Ao fazer o acordo, o devedor pode tanto optar por pagar a dívida integralmente quanto parcelar o pagamento. O importante é chegar à melhor condição possível. E vale destacar que, em geral, o pagamento total da dívida em uma única parcela gera um custo menor com juros, reduzindo significativamente o impacto da dívida sobre as finanças pessoais.

3. Retirada do nome do cadastro de inadimplentes

O devedor consegue limpar o nome rapidamente ao renegociar a dívida. Isso vale tanto para quem quita a dívida toda por meio da renegociação quanto para quem opta pelo parcelamento. Após o pagamento da primeira ou da única parcela do acordo, o nome será retirado em no máximo 5 dias.

O que acontece quando o acordo é quebrado?

"Renegociei a dívida e não paguei: e agora?" Quando uma dívida renegociada não é paga, todas as condições que foram definidas são perdidas. Em termos jurídicos, o acordo (contrato) foi quebrado, por isso perde a validade.

O credor, nesse caso, pode retomar a cobrança nos termos anteriores à renegociação, desconsiderando qualquer vantagem que tenha sido concedida, como descontos e prazos maiores.

Outra questão que preocupa bastante é a inclusão do nome do devedor nos cadastros de proteção ao crédito, como Serasa e SPC. Quem está inadimplente e firmou acordo para o pagamento da dívida consegue limpar o nome poucos dias depois de pagar a primeira parcela da renegociação.

O que acontece, então, quando a renegociação não é paga? O nome volta a ser negativado. E, claro, isso traz uma série de problemas para o acesso ao crédito e, para muitas pessoas, cria grandes desafios, pois impede o acesso a bens e serviços necessários para o dia a dia.

Por tudo isso é muito importante avaliar bem as condições do acordo e se organizar para cumpri-lo. Em geral, as renegociações são desfeitas quando:

  • devedor firma o acordo apenas para se livrar das cobranças, sem considerar a importância de quitar a dívida por completo;
  • a negociação não é bem planejada, ou seja, o devedor se compromete com um acordo que não conseguirá cumprir;
  • devedor perde o prazo de pagamento (ao atrasar o primeiro pagamento após a renegociação, o acordo já estará desfeito).

O que fazer se eu quebrei o acordo com meu credor?

Renegociar a dívida e não pagar é assumir o risco de perder uma proposta que seja vantajosa, como citamos anteriormente. Mas é plenamente possível buscar uma resolução para o problema e conseguir um novo acordo ajustado às suas necessidades. Confira algumas dicas que podem ajudar:

1. Busque um novo acordo

Para o credor é interessante que você pague a dívida, por isso, como sinalizamos, a tendência é que ele aceite renegociar o débito. Se na primeira tentativa houve algum problema que te impediu de cumpri-lo, tente novamente. Só que atenção: avalie bem as condições e se organize para cumpri-las.

2. Faça uma análise das suas reais possibilidades

Faça uma reflexão: o que aconteceu de errado? O prazo não foi suficiente? O valor das parcelas estava elevado para o seu orçamento? Enfim, verifique por qual motivo deixou de cumprir o acordo.

Conhecendo bem onde está o problema, faça uma projeção de condições que são possíveis de serem cumpridas. Se o valor da parcela original era de R$ 300,00, mas você só poderia assumir uma parcela de R$ 200,00 por mês, saiba que esse é o seu limite. Tente, então, alongar o prazo de pagamento da dívida para que as parcelas caibam no seu orçamento.

3. Comprometa-se com o pagamento

Como demonstramos, deixar de pagar a renegociação é um problema que pode ter consequências bastante prejudiciais, como levá-lo a perder boas condições de pagamento. Sendo assim, aproveite que tem uma nova chance de acordo e se empenhe em cumpri-la pontualmente.

Se as condições do orçamento estão muito complicadas, verifique a possibilidade de cortar despesas ou de ter uma fonte de renda extra. Além disso, havendo dificuldade, antecipe-se e procure a empresa para verificar como resolver problemas que surgirem.

Mudar de "renegociei a dívida e não paguei" para "renegociei a dívida e paguei" será um grande avanço no controle das suas finanças! Facilite esse processo. Você pode fazer acordos com facilidade, pelo computador. Continue no nosso blog e saiba por que negociar a dívida online pode ser mais simples.