Tudo que você precisa saber para começar a investir!

5 minutos para ler

Para você que quer começar a investir, confira agora as principais informações que você precisará ter.

Investir é comprar algo que gera mais dinheiro. Normalmente, ao avaliar investimentos, focamos principalmente no seu lucro: a diferença entre quanto pagamos no início e quanto ganhamos no final. Chamamos este lucro de retorno. Quanto maior o retorno do nosso investimento, mais dinheiro ele nos traz.

É importante sabermos que existe uma relação entre o retorno potencial de um investimento e o risco associado a ele. Isso quer dizer que quanto maior o potencial de retorno, maior a possibilidade de perdermos nosso dinheiro. Por isso, além do retorno de um investimento, devemos focar no risco dele também. Dividimos investimentos em baixo-risco e alto-risco. Investimentos de baixo-risco vão dar menos retorno, mas investimentos de alto-risco podem acabar com nosso dinheiro. Vamos olhar os conceitos fundamentais para nós investidores. Caso queira mais informações, confira aqui o site do governo federal e esse outro post no site, aqui, com informações sobre opções mais específicas.

Nunca esqueça: nenhum investimento tem risco-zero, e riscos sempre mudam. As classificações abaixo são em termos relativos, apenas para entendermos a relação entre os tipos de investimento.

Título é de baixo-risco

Quando compramos títulos, estamos emprestando nosso dinheiro e ganhando juros. Normalmente, emprestamos ao governo federal, que é considerado o melhor pagador do país. Por causa disso, não oferece um retorno muito grande, mas ao mesmo tempo podemos ficar tranquilos que nosso investimento está seguro. Mas, existem vários outros tipos de título, os quais emprestamos a um banco ou às vezes uma empresa. Como é um empréstimo, vamos precisar esperar um tempo receber nosso dinheiro de volta. Por isso, é importante entendermos o prazo de pagamento qualquer título e se este pagamento será feito parcelado ou se receberemos tudo ao vencimento do prazo.

Ações são de alto-risco

São consideradas alto-risco pelo fato de que é possível perder nosso dinheiro todo quando investimos nelas. Funcionam assim: uma empresa divide todo seu valor em ações, e cada uma dessas ações representa uma parte do seu valor total. Imaginemos a empresa como um terreno dividido em milhões de lotes. Pessoas costumam comprar os lotes e tentar vendê-los por um preço maior. Muitas vezes conseguem, mas muitas vezes o preço do terreno cai, e a pessoa perde dinheiro por vender a um preço menor do que pagou por ele. Todas as ações são vendidas e compradas na bolsa de valores, que é como um mercado onde se vendem ações de muitas empresas brasileiras. Se tivermos apenas dinheiro de que iremos realmente precisar no futuro, não é recomendado comprar ações. Mas, se tivermos dinheiro extra, pode valer a pena pesquisar as oportunidades pelo site do gestor da bolsa de valores brasileiro, B3, aqui. Também, existe uma opção relacionada, mas menos arriscada que são os fundos de investimento.

Seguro de vida é de baixo-risco

Seguro de vida é um tipo de investimento bem diferente dos anteriores. Quando compramos um seguro de vida, a seguradora se compromete a cobrir nossa família caso o pior nos aconteça. Para isso, contribuímos com um valor mensal, conhecido como prêmio, assim como fazemos com uma poupança. Não é divertido pensar neste assunto, mas é importantíssimo deixarmos nossa família com uma proteção financeira para não passar necessidades quando não estivermos mais aqui para sustentá-la. O seguro de vida representa um contrato que devemos cumprir para manter a proteção da nossa família, então precisamos entender bem as obrigações. Confira neste material do governo federal que explica as questões jurídicas gerais aqui e, sobre o seguro de vida especificamente, aqui.

Além destes três tipos gerais de investimento, temos que conhecer dois indicadores (dois números importantes) para investidores.

SELIC é uma taxa de juros

O governo federal, assim como nós, pega empréstimos também. E, pelos títulos do tesouro, nós emprestamos nosso dinheiro a ele. Por ser um devedor tão grande, importante, e baixo-risco, o governo federal paga uma taxa de juros especialmente baixa. Ela se chama SELIC, e é muito discutida nas notícias e nos jornais. Quando a SELIC sobe, significa que o governo está pagando uma taxa de juros maior e que os títulos vão render mais. Quando cai, o governo paga menos, e os títulos rendem menos. A SELIC é uma taxa de juros tão importante que afeta a economia toda, em particular um outro indicador (número) que se vê muito nas notícias: o IPCA.

IPCA é a taxa de inflação

É muito comum ver o IPCA listado ao lado da SELIC. O IPCA representa a taxa de inflação da economia: quanto que os preços de produtos e serviços estão aumentando no país. Quando o IPCA é grande, quer dizer que os preços estão subindo muito. Quando ele é pequeno, os preços estão estáveis. Um valor entre 4% e 6% é considerado saudável. Quanto ao investimento, o importante é entendermos que o mais perto a entre 4% e 6% o IPCA, o mais estável a economia e o menor o risco geral para nós.

O desafio de qualquer investimento é a incerteza, que está sempre presente. Por isso, as opções de baixo-risco fazem mais sentido para a maioria de nós. Cada investidor tem seu próprio perfil e tolerância a riscos e incertezas, mas, independente do nosso perfil, nunca devemos investir sem nos sentirmos confortáveis. Assim, teremos tranquilidade para gerenciar nosso dinheiro com consciência e responsabilidade.

Posts relacionados

Deixe uma resposta