Como juntar dinheiro: 6 maneiras de organizar suas finanças

Acordo Certo

fevereiro 26, 2020

6

minutos para ler

Você, certamente, já pensou sobre como juntar dinheiro e criou estratégias mentalmente para conseguir fazer o seu pé de meia. A verdade é que, na prática, isso pode ser um pouco mais complicado do que parece quando a ideia surge. Existem, no entanto, algumas ações que são imprescindíveis para você conseguir guardar dinheiro.

Antes de qualquer coisa, é necessário estabelecer um objetivo, caso contrário, a proposta de reservar uma quantia por período fica vazia, não tendo, assim, a devida importância. Feito isso, estabeleça metas (objetivos em função do tempo), criando planos de ação, mesmo que simples, para alcançá-las. A seguir, separamos 6 passos para concretizar esse desejo. Confira!

1. Defina o orçamento pessoal e familiar

O orçamento, tanto pessoal quanto familiar, é um assunto muitíssimo importante se você quer juntar dinheiro. Documentar as necessidades, definindo tetos de gastos e metas de economia, é o melhor jeito de iniciar a sua organização financeira.

Sendo assim, categorize os setores nos quais é preciso gastar dinheiro. Uma vez visualizado ao lado do quadro de recebimentos, isso ajudará a criar uma rotina de previsibilidade. Você, certamente, já prevê, mensalmente, para onde os recursos vão, já que existem contas fixas, mas é fundamental registrar.

2. Crie um sistema de controle

É bastante comum ver as pessoas controlando finanças com planilhas. Se você domina esse tipo de registro, é, sim, uma boa ideia, pois, nelas, é possível fazer lançamentos automáticos, ou seja, você atualiza uma informação específica e a planilha, automaticamente, altera o restante, bem como os resultados.

Caso você não tenha o hábito de utilizar essa ferramenta, há uma opção ainda melhor: aplicativos e sistemas. Há diversos apps de controle de finanças gratuitos, sendo boas opções para quem quer manter visualizações dinâmicas das transações. Além disso, caneta e papel também são válidos — o importante é controlar!

3. Planeje a quitação de dívidas

Fica muito difícil conseguir juntar dinheiro e ter suas conquistas quando o seu nome está sujo e existem cobranças periódicas tirando a sua paz. Sendo assim, uma das suas prioridades deve ser liquidar dívidas.

Não é preciso pensar em pagar tudo de uma vez, mas, sim, em começar de algum lugar. Assim, a renegociação é uma solução muito eficiente nesse caso, especialmente aquelas que acontecem online, nas quais você pode comparar tranquilamente as opções e escolher a melhor!

4. Pratique a educação financeira

Muitas das nossas dívidas são contraídas por meio de recursos que, na verdade, deveriam nos ajudar, como é o caso do uso do cartão de crédito. Acontece que, por mais preocupados em pagar as contas em dia que estejamos, o conceito de educação financeira acaba chegando muito tarde às nossas vidas.

Por isso, pessoal e familiarmente, você precisa prezar pela educação financeira, incentivando essa atitude no lar e sempre buscando aprender a cada dia. É possível consumir materiais e ver vídeos de quem entende sobre o assunto. Busque por dicas práticas para o dia a dia, como as que apresentamos aqui no blog da Acordo Certo.

5. Estude formas de investimento

Muitas pessoas acham que, para investir, é necessário ser rico ou que não vale a pena investir pouco, mas a coisa não funciona bem assim. Há diversos bancos que oferecem operações de rendimento simples (CDI), nas quais você só precisa depositar na conta e o valor começa a render (é o caso do Nubank, do C6 e, até mesmo, do Mercado Pago).

Claro que quanto maior o investimento, maior o montante na hora de retirar, mas a verdade é que, se você conseguir controlar seu orçamento e separar um valor para investir todo mês — e não mexer dentro de um bom tempo —, no final do período, terá mais dinheiro do que se estivesse só “colocando embaixo do colchão”.

Além disso, nessa opção de “rendimento simples”, você tem liquidez, ou seja: pode retirar o dinheiro a qualquer momento. Dessa forma, não se compromete logo de cara com uma operação com a qual ainda não é habituado. À medida que você vai pesquisando e aprendendo, vai ganhando mais confiança e, assim, conseguindo melhorar os retornos.

6. Viabilize as economias

O seu orçamento já é justinho e não sobra para poupar? Não adianta dizermos aqui que você precisa “poupar para depois gastar”, pois sabemos que a realidade nem sempre permite essa prática. Às vezes, o dinheiro já vem contado para as contas mesmo e sabemos disso.

Por isso, a dica é rever os gastos, principalmente os custos fixos e as despesas invisíveis. Se você encontrar formas alternativas de obter certos resultados, conseguirá também poupar e juntar o dinheiro da economia.

Isso pode ser feito, por exemplo, iniciando o hábito de levar marmita em vez de comer fora todos os dias. O mesmo vale para planos de assinatura que podem ser revistos e substituídos por outros mais vantajosos. Além disso, você pode investir numa feira semanal, por exemplo, para baratear as refeições.

Se você costuma sair com as crianças, por que não diminuir a frequência e optar por uma atividade em casa, gastando menos? Não corte tudo que dá prazer a você e à sua família, mas encontre outras formas de conseguir benefícios semelhantes. Readeque o que for possível.

7. Trabalhe a sua mentalidade

É bastante comum perceber a frustração das pessoas que pensam que não faz diferença juntar pouco por mês, ou que aquele valor não dará para nada. Pense diferente (isso também tem a ver com educação financeira): primeiramente, você está adquirindo um bom hábito.

Depois, se você consegue administrar as necessidades com pouco, quando estiver em melhor condição, poderá fazê-lo de forma semelhante. Além disso, esse ainda é um bom exemplo para a família e, por menor que seja o valor arrecadado, é possível, sim, investi-lo em algo que valha de recompensa, mesmo que apenas pela prática.

Talvez a nossa mentalidade seja um perigo quando buscamos meios de como juntar dinheiro, pois essas ciladas em forma de pensamento — que acontecem, até mesmo, em níveis emocionais — nos mantêm estagnados, então, não se acanhe: você só conseguirá crescer quando der o primeiro passo, e o momento é agora!

Gostou do nosso post? Inicie a sua caminhada rumo à organização financeira agora mesmo: assine a nossa newsletter e receba nossos conteúdos com exclusividade!

Compartilhe
este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se

Receba os posts mais recentes em seu e-mail

Captcha obrigatório
Seu cadastro foi concluído com sucesso!