Educação financeira: Como ensinar os filhos a lidar com dinheiro?

6 minutos para ler

Seus filhos aprendem muitas coisas com você. No entanto, pode ser que você esqueça de um ponto muito importante: é preciso dar a eles educação financeira desde cedo. Portanto, é fundamental educá-los ainda na infância quanto ao uso correto de recursos para redução das contas domésticas, sem estímulo ao consumismo ou ao desperdício. Essa educação vai refletir no futuro deles e até no seu!

Por isso, preparamos este post, ensinando como guiar os filhos na importante tarefa de lidar com dinheiro, para que cresçam sabendo gastar do jeito certo, poupar com objetivos e investir para o futuro. Acompanhe!

Demonstrando a importância da educação financeira para os filhos

As crianças aprendem muito bem por meio de brincadeiras e adoram se divertir com os pais. Então, espalhar os brinquedos delas, fixar um preço em cada um e brincar de lojinha com moedas reais — ou dinheiro de mentirinha — é um excelente exercício para desenvolver aptidões importantes.

Do mesmo modo, também é possível brincar de ir às compras no supermercado — mas, nesse caso, seria em casa mesmo —, fazendo com embalagens de produtos o mesmo que foi descrito em relação aos brinquedos na atividade acima.

Durante a diversão, vale a pena ouvir as crianças sobre os porquês de algumas compras e sobre a utilidade do que adquiriram; vale também criar situações de escassez em que se tem pouco recurso e muitas necessidades, para que elas aprendam sobre prioridades.

Demonstrar a importância da educação financeira para os filhos, por meio de situações divertidas, favorece a memória deles e ajuda-os a aprender, de forma leve e espontânea, a como lidar com dinheiro.

Já os filhos na adolescência podem ser estimulados a somar as faturas mensais de consumo do lar (contas de água, energia elétrica, telefonia, Internet etc.), pois é uma atividade pouco complexa e que os expõem à realidade das finanças domésticas.

Nesse sentido, eles também podem ficar encarregados de tomar medidas para redução do valor dessas contas e incentivar todos na casa a fazerem o mesmo. Assim, à medida que resultados positivos forem notados nas próximas faturas, o filho deve ser elogiado perante todos na casa e recompensado para que se sinta ainda mais motivado.

Expondo os pequenos a situações em que precisem lidar com um pouquinho de dinheiro de verdade

Até os sete anos, as crianças ainda têm pouca noção do valor das coisas, pois o cérebro, até então, obteve mais facilidade para raciocinar sobre quantidades. A partir dessa idade, o conhecimento sobre o valor do dinheiro já começa a influenciar algumas decisões dos pequenos.

Existe uma maneira bem interessante de verificar isso na prática: ofereça um sorvete e permita que a criança o escolha livremente no freezer da padaria ou do supermercado — é provável que ela opte pelo maior, pelo mais colorido ou por aquele que tem um personagem do desenho animado na embalagem.

Faça isso mais de uma vez e em ocasiões diferentes, e observe muito bem os critérios que ela utiliza para escolher. Em um desses momentos, em vez de você pagar, como nas outras vezes, dê R$ 20 à criança e peça para que escolha o sorvete preferido, porém reforce que ela pode ficar com todo o dinheiro do troco.

Caso, dessa vez, ela prefira o sorvete mais barato, é sinal de que alcançou as primeiras noções sobre o valor das coisas, pois já entende que as sobras financeiras podem propiciar outras experiências bem legais — note que a compra que for realizada com esse dinheiro reservado representará uma boa memória para a criança, uma lição de que, poupando recursos, os desejos de consumo são realizados mais facilmente.

Aplicando dicas de como lidar com dinheiro

Além das atividades e brincadeiras citadas acima, também é possível exercitar a capacidade das crianças para lidar com dinheiro por meio das dicas a seguir. Elas visam a combater o consumismo e a incentivar a poupança e a organização para que o futuro dos filhos tenha melhores oportunidades!

Reflita sobre dar ou não mesada para a criança

Dependendo da idade, você pode avaliar a possibilidade de dar pequenas quantias mensais ou semanais para que a criança inicie na administração do próprio dinheiro sob a supervisão dos pais.

Os valores entregues aos pequenos não precisam ser altos, mas devem estar de acordo com a situação financeira da família. Vale a pena, nesse exercício, incentivá-los a poupar parte da mesada recebida e, assim, planejar o uso da pequena reserva.

É importante ser firme nesse aspecto da mesada. Se seu filho optar por gastar todo o dinheiro que recebeu, não reponha esse valor que foi gasto precipitadamente. Passar por pequenos apertos é importante para que eles valorizem aquilo que ganham!

Estimule os filhos a terem bons hábitos e a evitarem desperdícios

Bons hábitos alimentares podem ser desenvolvidos desde cedo, assim como a prática regular de exercícios, pois contribuem para a saúde física, mental e financeira da família toda. Crianças saudáveis tendem a ser adultos com menos propensão a doenças e a gastos com consultas, exames, tratamentos e medicamentos.

É importante, também, combater todo tipo de desperdício. Atualmente, cerca 45 milhões de brasileiros ganham menos de um salário mínimo por mês e têm de se virar para arcar com as despesas da casa. Portanto, ensine a criança a não desperdiçar alimentos, energia elétrica, água etc.

Além disso, converse sempre com os filhos sobre a importância de zelarem pelo material escolar, pelos brinquedos, pelas próprias roupas e calçados e pelas suas posses em geral, isso tudo faz parte da educação financeira.

Seja sempre um exemplo para os pequenos

Os papais serão mais bem-sucedidos na tarefa de educação financeira para as crianças se eles também se esforçarem para acertar nas decisões nessa área.

No entanto, é natural que, vez ou outra, as contas saiam do controle dos adultos. É importante que os filhos — especialmente os mais velhos — entendam e façam parte do momento de dificuldade da família. Assim, o aprendizado será sempre maior!

Inclusive, o momento de educar financeiramente os filhos pode se tornar uma excelente ocasião para os adultos repensarem seus próprios comportamentos como consumidores e administradores domésticos.

Como você pode ver, existem maneiras espontâneas e divertidas para as crianças aprenderem a lidar com o dinheiro desde cedo, e essa é uma questão que você deve levar em conta ao educar seus filhos.

Se você gostou deste conteúdo, assine agora nossa newsletter para receber novidades sempre em primeira mão! Vamos lá!

Posts relacionados