Renda Cidadã: O que é o Programa?

Renda Cidadã: o que é o programa, quem tem direito, como fazer o cadastro e mais alguns pontos para entender o que está acontecendo.

Renda Cidadã: O que é o Programa?

Renda Cidadã é a nova proposta de programa social do Governo que pretende substituir o Bolsa Família, ampliar o número de pessoas atendidas, aumentar o valor do benefício e suceder o Auxílio Emergencial. 

O governo divulgou que o anúncio do programa Renda Cidadã seria feito em 2021. Para o programa acontecer, é preciso convencer o Congresso a aprovar uma proposta para financiamento. A ideia é que o valor do benefício fique acima de R$ 190, valor pago mensalmente pelo Bolsa Família hoje. O valor do Renda Cidadã é uma média entre o atual Bolsa Família e o Auxílio Emergencial.

Quem tem direito ao Renda Cidadã

Caso a proposta seja aprovada, teria direito ao programa quem está na chamada “linha de pobreza”, ou seja, famílias com renda de até R$ 178 mensais por pessoa. Estas famílias precisam ter, necessariamente, crianças ou adolescentes com idade entre 0 e 17 anos, matriculados em escolas.

Porém, vale ressaltar que o programa ainda não foi confirmado por parte do Governo e outras propostas além do Bolsa Família estão em discussão.

Até o momento, o Governo não divulgou as novas regras para participar do Renda Cidadã. A expectativa é que o procedimento seja o mesmo para as famílias que estão cadastradas no CadÚnico e no programa Bolsa Família.

Renda Cidadã Emergencial – é falso!

Diversas mensagens estão circulando pela internet sobre o programa Renda Cidadã — e muitas delas não passam de armadilhas virtuais.

Se você se deparou com alguma mensagem (principalmente por WhatsApp) dizendo que o Ministério da Cidadania liberou R$ 350 por família por meio do “Renda Cidadã Emergencial”, saiba que isso é uma fraude.

Muitos golpistas se aproveitam de assuntos do momento para aplicar golpes pela internet. Por isso, todo cuidado é pouco, ok?

Por que o Renda Cidadã gera discussões

Para aprovar o programa, o Governo precisa entrar em consenso com o Congresso. A ideia apresentada inicialmente recebeu críticas de parlamentares, agentes do mercado e da sociedade civil. O mercado financeiro não gostou da proposta: a bolsa caiu, o dólar subiu e os juros futuros dispararam.

Muitos analistas de contas públicas acham que as fontes de financiamento apresentadas revelam uma maneira de driblar o teto de gastos. O presidente reforça o compromisso com a responsabilidade fiscal, mas suas sugestões contrariam o discurso. Aparentemente, a União não tem recursos disponíveis e a única saída seria fazer cortes de gastos em outras áreas, para, assim, respeitar o teto de gastos. 

A “lei do teto” determina que gastos públicos do ano corrente em curso sejam limitados aos gastos do ano anterior, corrigidos apenas pela inflação. Toda a receita da União para o próximo ano já está comprometida.

O maior empecilho encontrado pelo projeto está em seu financiamento, e assim a viabilização do programa tem sido questionada. Ainda não se sabe se a fonte será proveniente de uma nova tributação da população ou de algum outro programa. Ainda não há uma resposta para isso.

Como se cadastrar para receber o Renda Cidadã

Ainda não existem regras definidas, mas, provavelmente e caso aprovado, seja necessário que as pessoas com direito ao benefício estejam inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) e no programa Bolsa Família.

O Cadastro Único (CadÚnico) é um sistema administrado pela Caixa Econômica Federal voltado a auxiliar famílias em situação de pobreza ou de extrema pobreza, que ganham até meio salário mínimo por pessoa ou até três salários mínimos como renda familiar total.

Por meio das informações concedidas pelas famílias no CadÚnico, o Governo Federal, governos estaduais e municipais podem estabelecer políticas públicas para melhorar a situação econômica e qualidade de vida destas pessoas.

Se o programa for aprovado, para que a família possa ser cadastrada, um membro maior de 16 anos e que more na mesma casa que os demais deve ser o responsável por repassar informações e documentos.

É preferível que seja uma mulher e, com a aprovação do Renda Cidadã, é necessário ter CPF ou Título de Eleitor, com exceção para os responsáveis pelas famílias indígenas e quilombolas, cujo documento apresentado não deve ser, obrigatoriamente, CPF ou Título de Eleitor. Nestes casos, poderia ser apresentado, por exemplo, a certidão de nascimento.

Mantenha seus dados atualizados

É importante ressaltar que os dados devem ser atualizados de dois em dois anos para evitar a suspensão do benefício. Alguns exemplos de informações que devem sempre ser informadas: mudança de residência, emprego, estado civil e renda. Sem essa base de dados, o Governo não é capaz de fazer o reconhecimento exato da situação social em que a família se encontra para participação em programas sociais. 

Para atualização de dados, a família também deve fazê-lo via a pessoa responsável. Outras informações estão disponíveis na Central de Atendimento disponibilizada pela Caixa Econômica Federal, por meio de suas redes sociais, telefones ou agências físicas.

Posso fazer parte do Renda Cidadã mesmo tendo dívidas?

Se o programa dor aprovado pelo Governo, sim. Mesmo sem regras estabelecidas, tudo indica que quem estiver com restrições no CPF junto aos órgãos de proteção de crédito terá o direito de receber o benefício, assim como ocorre em outros benefícios.

Até então, as únicas restrições em relação ao recebimento do Renda Cidadã são pendências na Justiça Eleitoral ou na declaração do Imposto de Renda.

E para positivar seu nome, acesse o site da Acordo Certo, consulte seu CPF grátis e garanta aquele descontão para se livrar das dívidas de uma vez por todas. 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seu bem-estar financeiro

Receba os artigos
do blog no
seu e-mail.