8 passos para organizar a vida financeira da sua família!

7 minutos para ler

Um dos principais motivos que fazem as famílias viverem bem é o esforço conjunto para que todos os entes familiares sejam bem-sucedidos nas principais áreas da vida, como estudos, profissão, amizades e finanças pessoais. Portanto, saber organizar a vida financeira de modo que existam sobras todo mês faz toda a diferença no convívio entre o casal e os demais no lar.

Por isso, preparamos este post, em que apontamos dicas realmente eficazes, capazes de ajudar você a organizar as finanças domésticas sem dores de cabeça. Acompanhe!

1. Reflita sobre a conta conjunta

Por definição, a conta bancária atende a apenas um indivíduo. A modalidade formal de conta conjunta, por sua vez, foi criada há alguns anos com a finalidade de fortalecer a capacidade financeira do casal para a tomada de empréstimo e a consequente redução de tarifas nessa operação.

Entretanto, no dia a dia, é importante que existam contas bancárias separadas, para que cada um possa manejar seus recursos com autonomia e responsabilidade, sempre amparados na confiança mútua.

2. Seja transparente com o cônjuge

Você sabe quanto seu cônjuge ganha mensalmente? É importante que os valores dos salários não sejam segredo entre ambos, afinal é com base nessa informação compartilhada que serão tomadas as decisões sobre a organização das finanças.

Além disso, é importante que falem sobre dinheiro, esclareçam dúvidas entre si, compartilhem experiências, dicas e falem do futuro.

3. Estabeleça metas

Tenha um caminho financeiro planejado e tracem metas para vocês baseado no objetivo de cada um e objetivo familiar. Eis alguns exemplos:

  • reorganizar a vida financeira;
  • voltar a ter crédito na praça;
  • limpar o nome;
  • poupar parte do salário;
  • alcançar estabilidade financeira
  • realizar sonhos

As metas têm maior eficácia quando são anotadas, ficam visíveis e têm prazos para concretização. Sendo assim, o envolvimento deve ser conjunto, de modo que ambos contribuam mensalmente com vistas à realização dos objetivos comuns. Trabalhando juntos, um motiva o outro e realizar os desejos fica mais fácil.

4. Contribua proporcionalmente ao salário

Se os dois trabalham, os dois podem contribuir com os gastos da casa.

Se esse for um combinado entre vocês, uma sugestão para que tenham o mesmo padrão de vida é que contribuam de forma proporcional ao quanto ganham, para isso é preciso criar parâmetros para os gastos mensais de cada cônjuge.

Por exemplo: se um dos dois contribui mensalmente com R$ 2 mil, e esse montante representa 70% de seu salário, o outro também deve contribuir com 70% de seus rendimentos mensais, independentemente de quanto seja — por isso a importância de haver transparência em relação a quanto cada um ganha.

5. Distribua responsabilidades mensais

É importante combinarem quem será o responsável pela realização dos pagamentos de cada conta para evitar descumprimento de prazos e inadimplência, o que poderá acarretar em cortes, cobranças e até nome sujo.

Por exemplo: uma pessoa fica responsável por efetuar o pagamento da água, luz, gás e internet, a outra pode ficar responsável pelo pagamento do aluguel.

Se preferirem, também podem colocar contas recorrentes em débito automático para facilitar ainda mais, mas não esqueçam de verificar o consumo e analisá-lo.

6. Estimule os filhos a economizar

Muitos comportamentos espontâneos de uma criança não lhe são ensinados diretamente, pois ela tem uma excelente habilidade de copiar gestos, atitudes e palavras.

Portanto, ao organizar a vida financeira da família, vale a pena dedicar uma atenção especial aos filhos, pois eles também são responsáveis pelos gastos do lar e podem contribuir de diversas maneiras com os objetivos financeiros da casa. Por exemplo:

  • economizando água e energia elétrica;
  • não desperdiçando alimentos;
  • priorizando roupas mais velhas nas brincadeiras ao ar livre;
  • preservando brinquedos, materiais escolares, etc.

Vale ressaltar que o conselho e, principalmente, o exemplo dos pais são essenciais para que essas boas práticas sejam incorporadas com naturalidade pelos filhos.

É importante compartilhar com a criança os objetivos da família para que ela também tenha uma motivação para economizar.

Por exemplo, se vocês querem fazer uma viagem no final do ano, mostre para criança que terão que reduzir os gastos para guardar dinheiro para tal objetivo.

Com isso, além de ganhar um aliado, vocês ainda estarão dando educação financeira ao seu filho.

7. Economize no supermercado

Economizar nas compras feitas no supermercado contribuirá fortemente para a redução nas despesas mensais da residência. No entanto, é necessário fazer algumas mudanças no comportamento de compra da família, sem necessariamente reduzir muito o padrão de qualidade dos produtos que costumam consumir. Por exemplo:

  • planejar as compras do mês com base no limite financeiro disponível;
  • ter sempre em mãos uma lista de compras;
  • priorizar idas ao supermercado em dias promocionais;
  • pesquisar os preços dos itens e possíveis cupons de desconto;
  • dispor de um cardápio para as refeições da semana;
  • não adquirir produtos com prazo de validade muito próximo;
  • consumir marcas mais econômicas.

A realização de compras semanais em vez de mensais, por exemplo, também aumenta as chances de serem encontrados os melhores preços, além de ajudar a evitar desperdício.

8. Poupe de acordo com o salário

Imprescindível para a conquista de objetivos financeiros, a poupança mensal de recursos também deve ser compartilhada proporcionalmente entre os cônjuges.

De modo semelhante à divisão dos gastos domésticos citada cima, a poupança do casal deve atender à mesma regra de compartilhamento de responsabilidade — por exemplo, 10% dos ganhos mensais de cada um.

Por fim, quando um casal se une com o mesmo propósito, multiplica exponencialmente suas forças.

Ainda que a iniciativa de planejamento e organização das finanças esfrie com o tempo, ambos devem se lembrar de que estão plenamente comprometidos com a saúde econômica da família, e assim retomar a diligência.

Os sonhos orientam as metas; as metas, as ações; e as ações, a disciplina. Assim, apoiados na certeza de que o lar pode muito bem vivenciar um novo momento econômico — recheado de realizações e conquistas —, o casal deve superar suas divergências, pôr as contas na ponta do lápis, reduzir momentaneamente o padrão de consumo, estabelecer metas factíveis e batalhar diariamente para alcançá-las, sem retroceder.

Dessa maneira, em um curto período de tempo, à medida que o planejamento e a organização das finanças estiverem acontecendo na prática, ambos se sentirão ainda mais motivados a avançar ao perceber uma significativa evolução na administração das economias do lar.

Organizar a vida financeira, como se pôde perceber, consiste em estar motivado e dispor das informações e ferramentas necessárias para tal realização. Por isso, assine agora nossa newsletter para receber por e-mail conteúdos capazes de orientar suas principais decisões nessa área e elevar seu patamar de riqueza!

Recomendamos também, a leitura do livro “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” do escritor brasileiro Gustavo Cerbasi.

Você também pode gostar

2 thoughts on “8 passos para organizar a vida financeira da sua família!

Deixe uma resposta

-