Parcelamento do cartão de crédito: entenda como funciona e se vale a pena

Acordo Certo

março 24, 2020

6

minutos para ler

Ainda que o pagamento à vista da fatura do cartão seja sempre mais recomendado — evitando a cobrança de multas e juros, nem sempre as coisas saem conforme o planejado. Ainda mais em momentos de crise financeira. Nessas horas, surge a dúvida: “será que compensa efetuar o parcelamento do cartão de crédito?”.

Essa é uma pergunta comum entre aqueles que contam com as vantagens que o cartão traz, mas é preciso analisar diversos fatores antes de chegar a uma resposta definitiva. Afinal, cada pessoa tem uma necessidade financeira diferente.

Se você deseja saber mais sobre o tema e aprender a avaliar se compensa ou não parcelar a fatura do cartão no seu caso em específico, não deixe de ler este artigo!

Como funciona o parcelamento do cartão de crédito?

O parcelamento da fatura do cartão de crédito é uma espécie de acordo feito entre o usuário e a emissora do cartão. Por meio dele, o consumidor ganha mais tempo para ficar em dia com o cartão, paga valores predeterminados por mês a fim de quitar o montante e tem seu limite de crédito liberado a cada parcela paga.

Enquanto alguns bancos oferecem opções de parcelamento em até 24 vezes, alguns se limitam a 12, sendo fundamental ficar atento às condições da empresa em questão. Além disso, é importante entender o que mudou desse cenário para os anteriores. Confira!

Como o Banco Central lida com o parcelamento do cartão de crédito?

Antes do final de 2017, era possível efetuar o pagamento mínimo de uma fatura, e o restante dele, no mês seguinte, ação que poderia ser ainda replicada no próximo mês sob juros de 20%. Porém, visando a obter maior controle da inadimplência das faturas, o Banco Central definiu novas regras e taxas de juros — dando preferência ao parcelamento e tornando-o mais vantajoso do que o pagamento mínimo.

Hoje, o parcelamento se aproxima da ideia de financiamento. Afinal, com ele, os usuários de cartão sabem quantas parcelas deverão pagar para quitar a fatura, quanto desembolsarão no total, o valor dos juros e IOF adicionais à conta e como se organizar em meio a tudo isso. Já ao efetuar o pagamento mínimo, isso não é possível — e o consumidor também fica exposto a taxas de juros rotativas e muito mais altas.

Taxas para parcelamento

Enquanto o pagamento mínimo, no passado, recebia um acréscimo de juros a cada vez que era solicitado, hoje, ele se fixa a uma taxa de 450% ao ano. Já o parcelamento tem uma taxa de 150% ao ano. Não é preciso nem mesmo fazer contas para saber que o parcelamento compensa muito mais do que estar sujeito a taxas de juros rotativas, como no caso do pagamento mínimo.

Parcelamento automático

Uma vez que o uso do crédito rotativo fica, geralmente, restrito a 30 dias, alguns bancos optam por incluir o cliente, de forma automática, no parcelamento. Contudo, só será possível contar com essa opção se ela estiver garantida em contrato. O Banco Central também pontua regras para isso:

  • o parcelamento e suas condições devem estar informados de maneira clara para o consumidor;
  • as condições para parcelar devem ser mais vantajosas que as do crédito rotativo.

A ideia, aqui, é devolver o controle da vida financeira às pessoas. Isso acontece uma vez que, sem a opção de parcelamento e apenas por meio do crédito rotativo, em poucos meses, já seria possível desestruturar por completo a organização das finanças de uma pessoa e deixá-la com o nome sujo. Contudo, mesmo sendo uma opção menos agressiva, o parcelamento da fatura também não é sempre a melhor opção disponível.

Quando vale a pena parcelar a fatura?

Parcelar a fatura, atualmente, sempre vale mais a pena do que ficar em atraso ou efetuar o pagamento mínimo e sujeitar-se ao crédito rotativo. Porém, será que o parcelamento é a única saída? Muitas vezes, ao terem conhecimento dos juros (somados ao IOF) que serão acrescidos à fatura parcelada, usuários do cartão podem se beneficiar mais dos empréstimos.

Os juros cobrados no parcelamento dizem respeito a alguns fatores, como a quantidade de parcelas, o valor em aberto e a instituição em questão. Ao compará-los com a cobrança que será feita em um empréstimo, muitas vezes, é possível enxergar essa opção como uma alternativa. Entenda como ele pode ser uma boa saída para garantir juros ainda mais baixos.

Quais são as melhores saídas para não parcelar a fatura?

Financiadoras, plataformas 100% digitais e instituições financeiras diversas oferecem opções de empréstimos que podem ser uma saída ainda melhor em relação ao parcelamento do cartão de crédito. Analisar as condições e taxas de juros envolvidas no processo é fundamental para quem busca por essa alternativa.

Empréstimo com pessoas próximas

Pedir a amigos e familiares que emprestem o valor faltante da fatura é uma opção para muitas pessoas. Em muitos casos, não são cobrados juros, e o processo é levado de maneira informal. Porém, é sabido que nem todos se sentem confortáveis com essa opção. É possível, então, recorrer a uma das alternativas de empréstimo citadas.

Empréstimo de instituições

As categorias de empréstimo institucionais são diversas para quem deseja quitar dívidas, sejam negativados, aposentados, proprietários de MEI ou, até mesmo, alguém que deseja evitar o parcelamento de fatura. A grande maioria delas passa por alguns pré-requisitos antes de liberar o valor, como:

  • análise de crédito ou score;
  • verificação de idade;
  • solicitação de comprovante de renda, residência e outros documentos;
  • negociação de condições etc.

Todos esses fatores influem diretamente no valor que será emprestado pela instituição, bem como nos juros e nas taxas cobradas. É fundamental que sejam analisadas as condições de contrato oferecidas e que sejam comparadas em relação ao parcelamento do cartão de crédito oferecido pela instituição. O empréstimo só deve ser uma saída caso os benefícios estejam claros.

Para facilitar a vida de quem deseja saber qual opção é melhor para si, a Acordo Certo conta com uma plataforma online que oferece empréstimos pessoais de forma 100% digital. É possível fazer uma simulação grátis e sem compromisso, comparando essa alternativa com o parcelamento de cartão de crédito.

Se você gostou de saber mais sobre pagamento de faturas, parcelamento do cartão de crédito e empréstimos, não deixe de assinar a nossa newsletter e receber nossas principais atualizações sempre que uma nova dica surgir por aqui!

Compartilhe
este artigo

4 comentários

    • Itaila, tudo bem? As condições dos acordos são definidas pela empresa parceira, mas saiba que estamos sempre trabalhando para melhorá-las ainda mais. Fique de olho no site para ficar por dentro das novidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se

Receba os posts mais recentes em seu e-mail

Captcha obrigatório
Seu cadastro foi concluído com sucesso!