A maior dificuldade no processo de economizar dinheiro é se lembrar de tudo em que ele é gasto, em meio a tantas coisas que precisamos diariamente. Para quem está pensando em começar a organizar seu dinheiro e economizar, a planilha de gastos pessoais inevitavelmente se tornará a sua amiga número um.

Isso significa que você deve contar a ela todos os seus gastos mais secretos , não vale esconder nenhuma moedinha, ok? Isso permitirá que você acompanhe seus gastos bem de perto.

Esse é o primeiro passo para uma organização financeira, pois acredite: Você vai descobrir que gasta muito mais do que imagina quando começar a anotar tudo isso.

Na web existem alguns modelos prontos que você pode usar como base para monitorar suas despesas, mas o ideal é que você não fique muito preso a essas opções.

Isso porque a planilha de gastos pessoais, como o próprio nome já sugere, é muito individual , então você é livre para colocar o que quiser, da forma que achar melhor.

Isso, é claro, sem excluir alguns dos itens fundamentais, aqueles que precisam estar em qualquer planilha de gastos pessoais para que o resultado de todo o trabalho seja positivo e você, de fato, você consiga controlar o dinheiro que entra e sai, certo?

O que incluir na sua planilha de gastos pessoais

1. Meses do ano

A primeira coisa que você deve inserir na sua planilha de gastos pessoais são os meses do ano , dispostos nas colunas verticais. Isso vai te ajudar a ter uma visualização do seu progresso de economias durante o ano todo.

2. Seu salário

Deixe seu salário em uma área de destaque na planilha, centavo por centavo. Ele vai estar ali para te lembrar constantemente de não passar dos limites.

3. Todas as despesas

Na coluna horizontal da sua planilha de gastos pessoais ficam as suas despesas , lembrando que qualquer despesa, por menor que seja , deve ser listada.

Gastos como supermercado, aluguel, conta de água, conta de luz, gasolina, faculdade, celular, plano de saúde, farmácia, academia, internet, entre outros, são os mais comuns.

Mas outros gastos pontuais também não podem ficar de fora, como idas a bares, restaurantes, salão de beleza, manicure, cosméticos, roupas, sapatos, acessórios e afins.

É indispensável ser criterioso com esses detalhes. A forma como essas informações vão ser organizadas dependem unicamente de você, mas é preciso ser honesto com cada centavo!

Veja nesse post como identificar gastos fixos e variáveis.

4. Poupança mensal

Além dos itens de contas e despesas, a planilha de gastos pessoais também precisa contar com um espacinho dedicado à poupança.

Mesmo que você não esteja, no momento em que começar sua planilha, guardando algum dinheiro nela, futuramente será de muita ajuda.

Com organização, certamente você vai conseguir separar algum valor, ainda que pequeno. Portanto, incluir esse item fará muito bem para o progresso de suas economias.

5. Resumo dos gastos dos últimos meses

Depois que tiver organizado tudo até aqui, chegamos em um passo fundamental de sua planilha. Isso porque será feito um registro do que foi gasto até o momento presente do ano, um balanço de gastos anteriores.

Para fazer isso, é necessário ter paciência e dedicação. Você precisará mapear tudo que tem gastado até então, consultando extratos bancários, comprovantes de pagamento, faturas e até mesmo os cupons fiscais aos quais você não dá tanta importância.

Esse trabalho não será fácil e precisa ser minucioso.

Em seguida, você deve somar todos os gastos de cada mês, para ter um panorama de gastos de um mês para outro, com quais itens.

Além disso, realizando essa soma, você terá um dado mensal na sua planilha de gastos pessoais que permitirá uma comparação com relação ao seu salário, permitindo analisar se você está ou não gastando mais do que ganha.

6. Planeje o mês seguinte

Depois de fazer esse levantamento dos meses anteriores na sua planilha de gastos pessoais, você poderá começar a planejar o que será feito a seguir.

Observe os tópicos e pense sobre o que você pode fazer para melhorar cada um deles.

Você deve incluir uma projeção de economia para o mês seguinte, de uma forma que seja viável e realista dentro do seu estilo de vida, para que possa funcionar.

Após o término do mês, você pode criar uma coluna paralela com os valores reais e comparar sua projeção com os gastos efetivos, refletindo sobre o que deu certo e errado e quais as possíveis causas de determinado resultado.

Na medida que essa estratégia mostrar resultado, você poderá começar a incluir metas no tópico da poupança mensal, e já tentar guardar alguma coisa.

7. Utilize cores

Uma maneira de destacar suas anotações é usando as cores vermelho e verde, por exemplo. Isso facilitará a visualização de seu desempenho.

Em cada tópico de despesa, você pode utilizar de uma dessas cores em cada mês, para indicar se você atingiu ou não sua meta, se você gastou mais ou menos do que podia.

8. Faça observações

Inclua um espaço na sua planilha de gastos pessoais para fazer observações. Anotar, quando se trata de controle de orçamento, nunca é demais.

Você não deve se limitar aos tópicos e achar que algo que não se encaixa em nenhum deles, deixando alguma coisa de lado, porque isso vai prejudicar tudo, seu trabalho será em vão!

Imprevistos acontecem e precisamos deixar que eles também tenham seu lugar nessa organização orçamentária.

Portanto, sempre que gastar com algo a mais, inclua na planilha e compare ao final do mês.

No decorrer da aplicação desses passos, não se deixe desmotivar, principalmente pelo levantamento inicial dos meses anteriores ao início da organização de suas despesas.

A organização em planilha, apesar de ser um processo detalhado e complicado, é a melhor forma de iniciar a disciplina financeira.

Defina um dia do mês como acerto de contas com seus gastos e metas e se comprometa em observar cada ponto da suas anotações e observações com calma.

Faça com que a planilha de gastos pessoais seja sua companheira e aliada nesse processo de economia e, dentro de pouco tempo, você perceberá resultados positivos.