Aprenda a proteger os seus dados na internet

Aprenda a proteger os seus dados na internet

Acordo Certo

setembro 8, 2020

10

minutos para ler

A todo momento, pessoas mal intencionadas buscam maneiras de aplicar golpes online e roubar os dados pessoais e bancários de quem puderem. Neste artigo, apresentamos dicas para que você aprenda a proteger os seus dados na internet para não ser pego de surpresa. Confira a seguir!

Porque se preocupar com a segurança dos seus dados na web

Devido à pandemia do novo coronavírus, boa parte dos brasileiros passou a recorrer mais às compras online. Trocar a ida a um restaurante por um delivery ou comprar a ração do cachorro pela internet ao invés de ir ao mercado se tornou mais prático e mais seguro. Muitas de nossas conversas cara a cara também foram substituídas por chamadas de vídeo por WhatsApp, Skype, Zoom… A nossa vida, de fato, ficou mais online.

Com o aumento significativo da presença online, os golpes na internet também vêm crescendo. Para se ter uma ideia, entre fim de abril e meados de maio de 2020, foram registrados mais de 192 mil ataques cibernéticos relacionados à pandemia do novo coronavírus.

Proteger os dados na internet pode ser tão importante quanto lavar bem as mãos e sempre usar máscara ao sair de casa. Pensando nisso, reunimos uma série de dicas para você saber como se proteger online. Acompanhe a leitura!

Dicas de como proteger seus dados na internet

Os profissionais Gabriela Fonseca (Engenheira de Segurança) e Márcio Moretto Ribeiro (Professor Doutor na ECA-USP com ênfase na área de Segurança da Informação) oferecem dicas a partir de atitudes simples, mas que garantem sua privacidade e protegem seus dados na internet. Vamos lá:

Atenção ao que você compartilha

A sua vida é um livro aberto na internet? Melhor repensar sobre o que você compartilha. “Quando alguém quer descobrir o máximo de informações sobre uma pessoa, ele busca pelas redes sociais que é onde a maioria de nós se expõe muito. Lá, postamos muitas informações: data de aniversário, nome de parentes, onde crescemos ou trabalhamos”, observa Fonseca.

Não tem problema compartilhar seu dia a dia nas redes, mas é importante que você controle o tipo de informação que fica exposta para qualquer pessoa com más intenções que queira invadir a sua privacidade. 

Agora, lembre-se que endereço, número de telefone, RG, CPF e outros documentos são algumas das informações que você não deve jamais postar nas suas redes sociais.

Cuidado ao passar informações por e-mail ou telefone

Um golpista pode entrar em contato por telefone ou e-mail fingindo ser do seu banco para confirmar os seus dados pessoais, por exemplo.

Por isso, você deve sempre checar a veracidade do contato: se recebeu um e-mail, verifique se o endereço do remetente pertence mesmo à empresa; já pelo telefone, só informe dados pessoais quando foi você quem ligou no telefone oficial da empresa ou se confia no número que te ligou. Confira também nosso artigo sobre como se proteger dos principais golpes do WhatsApp .

“Quanto mais você proteger essas informações, melhor, já que uma pessoa mal intencionada pode usá-las para abrir um cadastro falso em algum lugar”, alerta o Prof. Dr. Ribeiro.

Fotos e vídeos também podem ser armadilhas

É importante tomar cuidado com as fotos que você publica na internet. Nada de postar imagens de documentos como o seu RG ou passaporte. A foto da passagem da sua viagem também deve ficar de fora. Foto do cartão de crédito, então, nem pensar!

O Prof. Ribeiro lembra do caso do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o General Augusto Heleno. Em março deste ano, ele compartilhou nas redes sociais uma foto do resultado de um exame médico. No documento, era possível ver o nome completo, RG, data de nascimento e o CPF do político.

“O que aparece em um exame de sangue é o tipo de informação que você não quer expor na internet”, observa o especialista. No caso do general, os internautas não perdoaram: criaram cadastros e assinaturas em seu nome nos mais diversos sites e serviços.

Não leve a público os seus dados pessoais

Assim, jamais publique os seus dados pessoais no WhatsApp, Facebook, Instagram, TikTok, Twitter, Tinder ou em qualquer outra rede em que essas informações possam se tornar públicas, como em campos de comentários no YouTube, na Play Store ou em sites de notícias.

Se você precisar entrar em contato com uma empresa e quer passar seu telefone, nunca faça isso nos comentários de posts no Facebook, Instagram ou mesmo do blog da marca. Em vez disso, mande uma mensagem direta para a empresa.

Como compartilhar seus dados de forma segura

Uma alternativa ainda mais segura é procurar no site oficial da empresa um e-mail para atendimento ao consumidor ou outro meio de contato seguro.

“Informações que você não considera sensíveis eventualmente podem ser usadas por criminosos para conseguir informações sensíveis”, aponta o Prof. Dr. Ribeiro.

Veja como identificar sites falsos

Os golpistas são espertos e não perdem tempo. Um golpe recente que se espalhou pelo WhatsApp pedia para as pessoas acessarem um link e preencherem um formulário para ver se tinham direito ao Auxílio Emergencial de R$ 600. Com o site falso, os criminosos conseguiram roubar informações de muitas pessoas.

É preciso prestar muita atenção aos sites e aplicativos em que nos cadastramos. Criminosos são mestres em criar páginas falsas de bancos ou de serviços do governo: é um tipo de fraude que chamamos de phishing.

Cuidado com anúncios em época de Black Friday

Segundo a engenheira de segurança Gabriela Fonseca, o phishing é especialmente comum na época da Black Friday, quando a maioria das lojas anuncia produtos com grandes descontos. “Você acaba inserindo suas informações nestas páginas, seja porque já tem cadastro na loja ou porque cria um. Aí tem nome completo, data de nascimento, CEP, endereço”, explica.

Por isso, Márcio Moretto Ribeiro também aconselha a verificar o endereço que você está acessando online. Sempre verifique se não existe alguma letra ou número errado ou fora de lugar no link, como “santander1.com.br” em vez de “santander.com.br”, por exemplo.

Verifique a confiabilidade antes de se cadastrar em um site

Evite se cadastrar em lojas ou serviços que você não conhece. Antes de fazer uma compra online em um site, pesquise se aquela loja é confiável. Você pode fazer isso ao buscar pelo número do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) da empresa no site da Receita Federal, ou verificar se a loja está na lista de reclamações do Procon. Sites como o Reclame Aqui também indicam a reputação de muitas empresas.

Caso você não encontre muitas informações sobre um site, o melhor a se fazer é evitar fornecer os seus dados e buscar por outro serviço que seja realmente confiável.

Proteja as suas senhas

Recebeu um e-mail ou uma SMS suspeito do banco ou de outro site falando que a sua senha deve ser trocada? Desconfie! Não clique em nenhum link que venha com mensagens do tipo. Atualize a sua senha apenas em canais oficiais, como o aplicativo ou o site do banco em questão.

Márcio Moretto Ribeiro alerta: “Se você contatar o banco, pode acontecer de eles pedirem para você digitar a senha da sua conta no teclado do celular, mas pedir para você dizer a senha é algo que nunca acontece”.

Defina senhas fortes e nada óbvias

Lembra que falamos sobre evitar expor muitos detalhes pessoais nas redes sociais? Pois bem, Gabriela Fonseca aponta que mesmo uma informação aparentemente banal como o seu aniversário pode ser perigosa, isso porque muitas pessoas usam aniversários como senhas de contas online — ou mesmo de contas bancárias!

Assim, um ótimo conselho para garantir a segurança das suas senhas e proteger seus dados na internet é: não use palavras e sequências numéricas muito curtas ou muito óbvias. 

Em relatório do segundo trimestre de 2020, a empresa de segurança digital Axur identificou 9,16 milhões de credenciais (e-mails com senha) e verificou que 75,06% delas só usavam letras minúsculas. Além disso, 20.771 eram a sequência “123456”, 5.001 eram “qwerty” e 2.393 eram “gmail”.

O ideal é misturar letras maiúsculas e minúsculas com números e símbolos. Para fazer uma senha mais complexa sem ter dificuldade para decorar, troque letras por números ou símbolos parecidos, como por exemplo: em vez de “sãopaulo78”, coloque “$ã0P@ul078!”. “Segurança é sempre assim, é o equilíbrio entre a praticidade e o quanto você vai ficar seguro”, diz Ribeiro.

Nada de senha repetida!

É importante usar uma senha diferente para cada conta online que você tiver. Ribeiro explica o porquê disso com um exemplo: “Vamos supor que você tenha uma senha em um banco, e aí usa essa senha para fazer um cadastro em um site que você não tem nenhuma confiança. Agora, o criminoso que opera aquele site sabe a sua senha e pode tentar usá-la em outros lugares”.

Lembre-se que não é aconselhável repetir a mesma senha em todos os sites. “O login que você usa para fazer um cadastro pode ser o mesmo, e o e-mail também”, diz Fonseca.

Cuidado com apps que você instala

As opções mais seguras para baixar programas para computador ou aplicativos para celular são sempre os sites oficiais, como a própria loja online do Windows, do Google ou da Apple, que garantem que seus softwares e aplicativos não são maliciosos.

Por isso, Ribeiro aconselha prestar muita atenção aos chamados “apks”, tipos de arquivo para Android que servem para instalação de aplicativos que podem ser encontrados em plataformas não-oficiais. “Não vou dizer que é proibido de fazer isso, mas se você for instalar um apk no celular, tome muito cuidado. É de longe a coisa mais perigosa que você pode fazer”, afirma o especialista.

Já instalou o seu antivírus?

Um antivírus ajuda a defender o seu aparelho de programas e aplicativos maliciosos que roubam os seus dados ou mesmo espionam você. Acredite, podemos acabar baixando um vírus sem querer, especialmente quando acessamos sites suspeitos ou fazemos downloads.

Antivírus famosos como o Avast e o Kaspersky têm versões gratuitas para computador e celular — e mesmo sem todas as funcionalidades das versões pagas, as versões grátis já garantem uma camada extra de segurança para você.

Segurança online vai além do antivírus

Não adianta instalar o antivírus e achar que já está livre de todo perigo online. “Manter-se seguro hoje vai desde colocar um código de bloqueio na tela do celular e uma senha segura no notebook”, observa. “São etapas de segurança que seguimos para chegar ao ponto de estarmos 100% seguros. O antivírus é só um complemento”.

O que achou destas dicas de segurança? Agora você pode proteger os seus dados na internet e compartilhar esse artigo com quem também precisa se blindar online. 🙂

Compartilhe
este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se

Receba os posts mais recentes em seu e-mail

Captcha obrigatório
Seu cadastro foi concluído com sucesso!